Lilypie Kids Birthday tickers Lilypie Fifth Birthday tickers

setembro 07, 2007

Raízes

Há pouco pus-me a pensar...
Quando era miúda íamos passar as férias à “terra” do meu pai. Ultimamente tenho ido passar uns dias à “terra” da minha sogra. Quando for da idade dos meus pais para que “terra” é que vou? Eu não tenho e o Sr. Marido também não, para onde é que as R’s hão-de ir quando forem mais velhas? É estranho mas a maioria das pessoas da minha idade não tem “terra” para onde ir. E porquê? Porque nascemos todos nas grandes cidades, não nascemos na “terra” e migrámos para as grandes cidades quando já eramos grandinhos para trabalhar. É triste porque os melhores momentos da minha infância/adolescência foram passados na “terra” e as minhas filhas também têm passado grandes momentos na “terra”, mas temo que daqui a uns tempos a “terra” acabe...

16 comentários:

Eskisito disse...

Experimenta ser professora. É quase como ter uma terra nova todos os anos.

maria cunha disse...

pois as raízes vão-se perdendo com o tempo... é pena, mas as tuas R's arranjaram as delas :) talvez um pouco diferentes das nossas... mas igualmente boas!

beijinho

maria cunha disse...

arranjarão... ooopppsss

Van Dog disse...

Eu também acho que deve ser bom ter uma "terra"... O meu dono não tem...

Afgane disse...

Ora aí está uma grande verdade. Eu nasci na Mouraria em Lisboa, vou para onde? Ainda mais com a xenofobia contra os árabes tenho que dizer que nasci em Lisboa na generalidade e abster-me de falar na moirama.
Beijos

migvic disse...

Eu tb não tenho "terra" dos país. Já é tudo de Lisboa.

Diabba disse...

Pfffff és uma "sem-terra"! hihihihihih

Rita disse...

Eskisito,
É verdade mas se calhar, o pouco tempo que lá passas não dá para criar raízes...
Jokas

Muaria,
Espero que sim, porque é bom ter para onde ir dasanuviar de vez em quando (um sítio onde nos sintamos em casa fora dela)...
Jokas

Van,
Aposto que para ti, "terra" tem um significado bem diferente. Tipo, onde é que vamos enterrar o sapato do dono???
Jokas

Al Afgane,
Pois é essa história do Mouros tem muito que se lhe diga. Eu própria sou considerada Moura, cada vez que vou ao Norte, mesmo sem ter nascido na Mouraria. Tu sim és um Mouro genuíno...
Jokas

Mig,
Tu pelo menos, como nunca tiveste também não sentes falta...
Jokas

Diabba,
É verdade, nunca tinha visto as coisas por esse prisma. Sou uma "sem-terra", será que há p'rai algum subsídio que eu possa requisitar???
Jokas

Magnolia disse...

As raizes vão-se perdendo, e mais cedo ou mais tarde, tenho a certeza que vão desaparecer. eu como nasci em Lisboa, resolvi adoptar uma "terra" , que por sua vez, cada vez vai tendo menos "gente da terra". Criei laços de amizade, respirei-lhe o ar fresco das manhãs do alentejo e fiz dela "minha"

Um beijinho

Sónia disse...

Bom, eu então nunca "tive terra"!!!!

Deixa, assim elas até vão conhecer mais terras que tu, por não terem poiso fixo!!

Peste disse...

pois... eu passo a vida a dizer isso... com a agravante q eu num tenho para onde ir q a familia toda está cá... e num sabes a tristeza q fica...

num ter uma terrinha :S

Belzebu disse...

A desertificação do interior está realmente a tornar-nos uns urbanos, com poucas raízes ou nenhumas! Apesar de tudo cada vez que fui obrigado a adoptar uma terra, quase sempre a senti como se fosse minha. No entanto não deixo de ser um tripeiro de gema!

Aquele abraço infernal!

o_cao_que_morde disse...

Eu nuca tive terra
Pai e Mãe de Lisboa e Avós também

Thunderlady disse...

Ainda etsas férias pensei algo semelhante, fui para a terra do meu avô. No entanto eu quero ter uma terra, sair de Lisboa, ter um refúgio, um canto, um sítio onde já que não posso ver os meus filhos a brincar possa imaginar como seria se eles lá estivessem, a brincar, sem correrias e sem medos.

Rita disse...

Magnolia,
Bem vinda aqui ao cantinho.
É o bom que a "terra" tem é que podemos adoptar uma desde que tenhamos oportunidade para tal. Se calhar é o que nos resta...
Jokas

Pulga,
Espero que sim. Que possam conhecer a "terra" das amigas, dos namorados...
Jokas

Peste,
Podes crer, é triste. É bom ter um porto de abrigo para onde ir de vez em quando desopilar.
Jokas

Belzebu,
Como "disse" ainda há pouco, a "terra" tem essa capacidade fantástica de se deixar adoptar...
Jokas Tripeirinho

Cão Que Morde,
Que pena, e a falta que faz um canteirinho de terra a um cachorro...
Festas

Thunderlady,
Também eu quero, um cantinho assim, fora da confusão com aquela qualidade de vida de poder ir a pé para o trabalho, de conhecer os vizinhos todos e de poder deixar as R's soltas...
Jokas

Bellatrix disse...

eu adoptei a terra da ,minha mãe.. tenho lá casa... é lá que me refugio (apesar de ser longe como tudo...)