Lilypie Kids Birthday tickers Lilypie Fifth Birthday tickers

junho 20, 2007

Reportagem SIC

No Domingo estive a ver a Reportagem da SIC sobre a pediatria do IPO.
Gostei muito da reportagem, por encarar o problema de frente, sem pézinhos de lã mas contudo sem ser demasiado chocante pois o problema por si só já é chocante qb.
Gostei dos testemunhos das pessoas que lá trabalham e que têm que conviver dia a dia com a dor, o desespero, a incerteza do amanhã, as queixas, e de saber os subterfúgios que utilizam para não se “passarem”.
Gostei do testemunho das famílias. Gostei também do testemunho de um dos intervenientes directos.
Gostei do facto de falarem da morte sem rodeios, ela existe e toda a gente sabe que se pensa nisso numa altura destas.
Gostei de um dos pais, “agnóstico”, ter confessado que foi a Fátima pedir pelo filho.
Eu não acredito em Fátima, mas por um filho e numa situação destas faz-se qualquer coisa que se pense que possa ainda que muito remotamente ajudar. Mal não faz!
Gostei da frontalidade com que uma das médicas disse que passava baixas falsas para as mães poderem acompanhar os filhos. Parece que só temos direito a 3 semanas por ano para acompanhamento dos filhos e muitas daquelas crianças estão meses internadas e óbviamente que precisam do acampanhamento dos pais.

3 comentários:

Maria Cunha disse...

não vi a reportagem.
eu sou ateia, mas penso que numa atitude de desespero qualquer pessoa acaba por esgotar todas as possibilidades... conheço quem foi à bruxa. não condeno de forma nenhuma. é mais do que natural.

beijinho

Eskisito disse...

Também não vi a reportagem...mas, em momentos de azar, acredita-se em tudo.
E, acho bem que algumas pessoas ainda tenham coragem para admitir que por vezes é necessário quebrar as regras...
Beijos

Para sempre, Maria disse...

Eu ando ensimesmada com a situação de uma menina minha aluna. É adoptada, os pais são brasileiros e agora, passados 7anos, querem a menina de volta. Tenho pensado muito nisto, talvez pela proximidade que tenho com a menina.É a tal coisa, só acontece aos outros...mas quando é connosco...
beijo